Conheça 23 descobertas da ciência sobre a cerveja

Descobertas

Recentemente, a revista Exame divulgou uma lista com 23 descobertas feitas pela ciência sobre a cerveja. Dos segredos da fermentação à possibilidade de fabricação no espaço, a cerveja já foi alvo dos mais diversos estudos. Confira:

- Cerveja não dá barriga: O mito caiu por terra quando nutricionistas da Universidade de Gotemburgo monitoraram por 4 anos a quantidade de cerveja tomada por dia e as medidas de quadril e cintura de 20 mil pessoas. O estudo concluiu que o consumo da bebida gerou aumento da gordura corporal total, mas não necessariamente na região da cintura.

- O que é “beber com moderação”? : De acordo com estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), é recomendável que mulheres não bebam mais que uma lata de cerveja por dia e que homens se limitem a duas. Ir além disso já representa risco para o corpo humano.

- Dinheiro e Cerveja: Segundo pesquisa realizada por uma economista da Universidade de São Paulo (USP), enquantoa classe média prefere o chope, a cerveja engarrafada está entre as preferências das classes alta (junto com o uísque) e da faixa mais pobre (junto com a cachaça).

- Cerveja produzida no espaço: Em outubro de 2013, astronautas da Estação Espacial Internacional produziram cerveja no espaço. O teste tinha como finalidade responder ao artigo “Os efeitos da fabricação da cerveja na microgravidade e seria isto possível?”, de um garoto americano de apenas 11 anos.

- Cerveja contra a gripe: Cientistas da Universidade Médica de Sapporo descobriram que o humulona, presente no lúpulo, protege o organismo da ação do vírus respiratório sincicial, um dos causadores da gripe. Mas atenção, como a concentração de humulona na cerveja é baixa, seria preciso beber 30 latas de cerveja para ficar protegido da gripe.

-Plástico na cerveja: Duas pesquisadoras alemãs analisaram 24 amostras de diferentes marcas de cerveja do país e descobriram que todas elas continham vestígios de plásticos. Até um inseto foi encontrado em uma das cervejas analisadas.

- Cerveja e o DNA: Cientistas da Univerdade de Tel Aviv realizaram testes com material genético de uma levedura bastante parecido com o dos humanos e descobriram que a exposição a soluções com concentração de etanol entre 5% e 7% é capaz de alongar os telômeros – estruturas localizadas nas extremidades de cada cromossomo.

- Cerveja é bom para o raciocínio: Pesquisadores da Universidade de Illinois descobriram, através de um experimento com 40 homens, que a cerveja deixa o raciocínio mais rápido e preciso.

- Homens e a cerveja: De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil os homens bebem 5 vezes mais cerveja do que as mulheres. Além disso, a pesquisa mostrou que 5% dos homens bebem cerveja todos os dias e, em mais de 60% dos casos, fora de casa.

- Mulheres e a cerveja: Hepatologistas do Hospital Metodista de Houston afirmam que os danos causados ao fígado pelo consumo exagerado de cerveja e outras bebidas alcóolicas em mulheres são duas vezes maiores do que os efeitos em homens. A causa disso seria o fato de que as mulheres têm, em geral, uma altura menor e, consequentemente, menos água armazenada no corpo do que os homens, o que potencializa os efeitos da bebida.

- Cerveja pode te deixar mais satisfeito: Neurologistas da Universidade de Indiana realizaram um experimento com 50 homens e descobriram que a liberação de dopamina (hormônio ligado à satisfação) era maior quando as pessoas bebiam cerveja do que quando elas tomavam a outra bebida

- Faz bem ao coração: Cientistas da Universidade de Boston afirmam que tomar um copo de cerveja de vez em quando faz bem ao coração. O estudo indica que  a ingestão diária de 43 gramas da bebida reduz em 42% as chances de uma pessoa desenvolver problemas cardiovasculares.

- Cerveja pode evitar um segundo ataque cardíaco: Pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública de Harvard realizaram um estudo com 1.818 indivíduos que já sofreram infarto e comprovaram que aqueles que ingeriam até duas latas e meia de cerveja por dia tinham menos chances de morrer por problemas cardiovasculares do que os abstêmios e aqueles que ingeriam mais do que isso de álcool por dia.

- O fim da ressaca: Médicos do Instituto de Saúde Griffith, na Austrália, criaram uma cerveja que evita a ressaca. O segredo são os eletrólitos. Incluídos na receita da bebida, esses minerais mantêm o corpo hidratado – o que evita a sensação de mal estar no dia seguinte.

- Cerveja ou água?: Pesquisadores da Universidade de Granada afirmam que beber cerveja moderadamente após exercícios físicos pode ser tão eficaz quanto beber água para efeitos de hidratação.

- Fermento original: Cientistas da Universidade de Lisboa encontraram na Patagônia a espécie de fungo que parece ter dado origem à variedade de fermento utilizada há mais de 500 anos pelos produtores de cerveja da região da Baviera. Segundo os cientistas, o fungo, batizado de Saccharomyces pastorianus, pode ter chegado à Europa na madeira de algum navio.

- Alcoolismo no Brasil: Estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP) com 3 mil pessoas de 147 municípios de cinco regiões do país mostra que 10% da população do país não consegue passar mais de um dia sem tomar um gole de cerveja ou trago de aguardente

- Brasileiros e a cerveja: Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que a  cerveja representa 60% do volume do álcool ingerido no país, seguida dos destilados (36%) e do vinho (4%).

- É cerveja?: De acordo com as normas do Ministério da Agricultura, no Brasil só pode ser chamado de cerveja o produto que recebe apenas sucos vegetais. Os fabricantes estão lutando para que ingredientes como leite e mel possam ser incluídos na receita.

- Cerveja, carne e câncer: Cientistas da Universidade do Porto descobriram que o uso da cerveja no preparo de carnes marinadas reduz a chance desses alimentos causarem câncer. É que a aplicação da bebida sobre a carne a ser assada reduz os nível de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (relacionados ao desenvolvimento do câncer) presentes nesses alimentos.

- Tecnologia: Químicos da Rice University desenvolveram um polímero capaz de tornar a entrada de moléculas de gás em uma garrafa mil vezes mais difícil. Este material poderá ser muito útil na produção de garrafas de cerveja – já que a entrada de moléculas de oxigênio no líquido afeta sua qualidade.

- Tire a cerveja da prateleira: Uma cientista da Unicamp descobriu que enquanto fica na prateleira, a cerveja pode perder até 50% dos antioxidantes. A pesquisadora trabalhou por 4 meses e realizou testes bioquímicos e análises sensoriais com amostras da bebida. Os antioxidantes ajudam na conservação da cerveja (evitando o chamado “gosto de papelão”) e na prevenção de doenças degenerativas e do coração pelo organismo.

- Mergulhe na cerveja!: De acordo com a cervejaria Starkenberger, da Áustria, um banho de cerveja possui propriedades curativas – como a cicatrização de feridas e a melhora da circulação sanguínea. A cervejaria possui sete piscinas aquecidas preenchidas cada uma com 12 mil litros de água e 300 litros de cerveja, e um mergulho de duas horas custa cerca de R$700.

< voltar

Leia outras notícias relacionadas

  • quadrada.jpg
    Chegou a cerveja da séri...
  • Atitude Artesanal no Quintal do Chalé
    Acontece nesse sábado a ...
  • BANNER
    Beertone Brasil: conheça...
  • banner
    Sabia que cerveja é bom ...

BBC