Cerveja artesanal feita em fogão a lenha? Sim, em Petrópolis (RJ)

Quando se fala em cerveja artesanal logo se pensa em uma produção rebuscada a algo caseiro, uma produção sem muito uso de tecnologia e maquinários, mas não é bem por aí. Obviamente, nos primórdios da produção cervejeira no mundo, a tecnologia não era tão avançada a ponto de se poder usufruir de maquinários capazes de nos poupar tempo e evitar desperdício na produção, sendo que nem mesmo um dos principais ingredientes da cerveja, a levedura, era conhecido.

Contudo, a atual tecnologia cervejeira permite que se tenha um controle extremamente detalhado do processo de produção de cada uma das receitas específicas criadas por algum mestre cervejeiro e é isso que garante o controle e padrão de qualidade das microcervejarias no mundo todo. Mas mesmo com toda tecnologia (maquinários, técnicas de produção de insumos, tratamento de água e etc…) ainda é necessário que se coloque a mão na massa na maioria dos casos, ainda que isso não seja de tudo um esforço exagerado, onde serão necessárias certas avaliações durante o processo de produção. Resumindo, apesar da automatização, sempre haverá um esforço humano em uma produção artesanal.

Cerveja artesanal

Parte do processo do controle de qualidade.
fonte: Homini Lupulo.

Mas mesmo diante de toda essa realidade tecnológica que vivemos hoje, ainda se ouve falar daqueles que ousam produzir cerveja como se fazia antigamente, antes das últimas revoluções científicas e tecnológicas. Muitos desistem de produzir dessa maneira, pois não conseguem atingir um conhecimento prático necessário para saber, usando apenas o paladar, olfato e, inevitavelmente, um relógio, em qual “ponto” se encontra aquela receita que está sendo “cozinhada” ou em qual estágio de sacarificação se encontra aquele mosto (em uma linguagem mais técnica), só que esse não é o caso do Sr. Adalmir Maiworm, cervejeiro artesanal a mais de 27 anos, que utiliza apenas suas panelas, seu fogão a lenha e seus sentidos mais do que apurados para produzir inúmeras receitas de cerveja, em um cômodo de sua casa na região serrana de Petrópolis (leia o post), num bairro chamado Quarteirão Brasileiro, cervejeiro este que eu tive o privilégio de conhecer em uma das minha andanças por aquelas terras.

Adalmir Maiworm

Eu e o Sr. Adalmir Maiworm na garagem de sua residência.

Adalmir Maiworm é descendente de alemães, da cidade de Olpe, que chegaram no Brasil e se instalaram na região de Petrópolis por volta de 1845. Originalmente, suas terras eram uma pequena fazenda em meio à floresta nativa e às montanhas. Fato curioso foi que, ao se instalarem no local, acabaram por encontrar diversos pés de jabuticaba e pensaram que tal fruta pudesse ser uma espécie de uva brasileira. Como não havia cevada disponível no mercado para que eles pudessem produzir cerveja, eles logo trataram de utilizar as “uvas” para produzir vinho. Com o tempo, eles passaram a produzir vinhos e licores de outras frutas, tradição que é mantida até hoje pelos seus descendentes, dentre eles, o Sr. Adalmir.

Família Maiworm

Quadro com a história da Família Maiworm.

Mas como eu já havia adiantado anteriormente, o Sr. Adalmir também produz cerveja em sua propriedade, porém ela é destinada ao consumo próprio e para outras ocasiões sociais, mas não está disponível no mercado. Eu pude experimentar duas das cervejas que ele havia produzido, que eram uma Urbock e uma Munchen, ambas muito saborosas, de paladar e aroma impressionantes, sendo que, na minha opinião, suas caracteríscas são muito próximas às de outras cervejas de mesmo estilo produzidas com maiores auxílios tecnológicos.

Segundo Sr. Adalmir, antes dele duas outras gerações de seus antepassados se aventuraram a produzir cerveja artesanalmente, na mesma região, porém a Segunda Guerra Mundial acabou por dificultar a entrada de insumos no Brasil, sendo também que qualquer produto ligado à Alemanha ou a nomes alemães não eram bem vistos pela população brasileira. Com isso a produção foi interrompida, sendo retomada em 1987 pelo Sr. Adalmir e vem sendo mantida até hoje.

Outra curiosidade é a coleção de rótulos que ele possuí, sendo que muitos deles foram provenientes de seu consumo. A coleção impressiona pela quantidade de rótulos antiquíssimos e outros raros, mesmo para os dias atuais, em que o consumo de cervejas especiais vem crescendo no Brasil.

O que posso dizer é que essa foi uma experiência inesquecível e que poder desfrutar de algumas horas na companhia de uma pessoa tão carismática e sábia foi algo que me abriu mais a mente em relação a esse vasto mundo cervejeiro, sendo que fui encontrar tudo isso diante de um golpe de sorte, papeando em um bar em Itaipava, distrito de Petrópolis (leia o post) sobre as cervejas artesanais produzidas na região de Petrópolis-RJ.

VINÍCOLA MAIWORM

Rua José Maiworm, 139 A - Quarteirão Brasileiro

Petrópolis

tel: (24) 2248-4150

fan page: https://www.facebook.com/vinhoselicoresmaiworm

Atendimento: de segunda a sábado das 8h às 18h e domingos e feriados das 8h às 13h.

< voltar

Leia outras notícias relacionadas

  • A festa
    Oktoberfest 2013 em Blume...
  • Cerveja Bohemia Confraria
    Petrópolis, A Cerveja Bo...
  • Restaurante Sousplat
    Sousplat, sofisticação ...
  • Espanha
    Turismo cervejeiro: Espan...
  • http://www.blogger.com/profile/11182674981580985183 BUYMAZON

    Maravilhosa sua experiência. Deve ter sido emocionante conversar com o Sr Adalmir e tomar conhecimento de toda sua história e da manufatura de cerveja a lenha.
    O degustação então imagino a gostosura de provar bebidas tão especiais.
    Parabéns pela aventura e pelo artigo.
    Abraços!!!!

  • http://www.blogger.com/profile/03189301942271218843 Johnnie Lustoza

    Com certeza foi muito emocionante. A experiência que ele têm é incrível. Quanto às cervejas dele, pena que não pude experimentar mais, o que me deixa com a certeza de que ainda volto lá para fazê-lo.
    Fico contente que tenha gostado do artigo e espero sempre ter relatos como esse para contar aqui no blog.
    Forte abraço.

  • Débora Soares

    Aiiii, adoraria experimentar todas as cervejas especiais que surgem na minha vida! Mas acho que viraria uma alcoólatra! hahaahha

    • http://www.blogger.com/profile/03189301942271218843 Johnnie Lustoza

      Pois é Débora, se formos experimentar cada uma delas, vai-se uma vida e acabamos não experimentando metade, rsrs. Mas pelo menos podemos tentar escolher as melhores… Um abraço.

  • http://www.blogger.com/profile/02686283740003745812 Belos Achados

    Johnie, sou de Petrópolis e vim tomar conhecimento da existência desse senhor aqui! Vc poderia me passar um contato dele? nandinharjjf@yahoo.com.br
    Obrigada

    • http://www.blogger.com/profile/03189301942271218843 Johnnie Lustoza

      Olá. Obrigado pelo contato. Te enviei um e-mail com os contatos dele. Um abraço.

Empório da Cerveja

BBC